BLUE GREY RED
YOU ARE HERE Home Notícias Agrícolas Safra de laranja fecha ciclo com 398,35 milhões de caixas colhidas

JKA

Safra de laranja fecha ciclo com 398,35 milhões de caixas colhidas

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

laranja

O Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus) fechou nesta terça-feira (10) o relatório de produtividade da safra 2017/18 de laranja no cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro. Foram colhidas ao longo do ciclo, 398,35 milhões de caixas de 40,8 kg.

A produção é a quarta maior já registrada nos 30 anos de série histórica, 62% maior do que a obtida em 2016/17 (245,31 milhões de caixas), 25% acima da média dos últimos 10 anos e 9,30% superior à projeção inicial, de maio de 2017. A produtividade é recorde: foram colhidas 1.033 caixas por hectare ante 634 caixas/hectare na safra passada. A produção no Triângulo/Sudoeste Mineiro foi de cerca de 30,51 milhões de caixas.

O aumento da produção decorre principalmente das chuvas abundantes em 2017 e início de 2018 em todas as regiões produtoras (1.373 mm, em média), acarretando no aumento do peso dos frutos, que atingiu 166 gramas.

O gerente-geral do Fundecitrus, Juliano Ayres, destaca que a melhora dos tratos culturais nos pomares também potencializou os resultados. "Uma boa safra decorre de dois fatores: clima favorável e cuidados adequados com os pomares. Em 2016 e 2017 o clima foi excepcional, além disso os citricultores investiram mais em fertilizantes e defensivos, o que se refletiu na produção deste ano", explica.

A intensificação dos tratos culturais resultou na diminuição da taxa de queda dos frutos. "A taxa de queda de frutos ficou 1,19 ponto percentual abaixo da projetada inicialmente para a safra, encerrando-se em 17,31%: mais laranjas foram colhidas em função da maior retenção de frutos nas plantas", explica o coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES) do Fundecitrus, Vinícius Trombin.

Uma novidade do trabalho é a identificação dos motivos que levaram à queda. A taxa de 17,31% é composta pelas seguintes causas: 7,45% por queda natural, como atividades mecanizadas ou condições climáticas adversas; 4,06% por greening; 2,70% por bicho furão ou mosca das frutas; 2,16% por pinta preta; 0,62% por leprose; 0,31% por cancro cítrico.

Produtividade

As laranjeiras, que haviam sido menos exigidas em função da baixa produção no ciclo anterior, desfrutaram das condições climáticas ideais para o florescimento, que aconteceu a partir de agosto de 2016, resultando em uma alta carga de frutos por árvore nesta temporada.

Além da maior produtividade por hectare (1.033 caixas/hectare), todas as variedades de laranja registraram aumento de produtividade em relação aos anos anteriores. Foram colhidas 77,48 milhões de caixas de Hamlin, Westin e Rubi; 18,02 milhões de caixas de Valência Americana, Valência Argentina, Seleta e Pineapple; 118,47 milhões de caixas de Peira Rio; 139,62 milhões de caixas de Valência e Valência Folha Murcha; e 44,76 milhões de caixas de Natal.

A produtividade por hectare também cresceu em todos os setores. O Sudoeste produziu 1.155 caixas por hectare (82,35 milhões de caixas), seguido por Norte com 1.108 caixas/hectare (95,14 milhões de caixas), Sul com 989 caixas/hectare (77,57 milhões de caixas), Centro com 984 caixas/hectare (107,51 milhões de caixas) e Noroeste com 882 caixas/hectare (35,78 milhões de caixas).
(Assessoria Fundecitrus)

Comente:

Compartilhe:

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias

Novos Vídeos