BLUE GREY RED
YOU ARE HERE Home Notícias Cidades Gerais Apple reduz preço para trocar bateria de iPhones no Brasil, após admitir que deixa celular lento de propósito

JKA

Apple reduz preço para trocar bateria de iPhones no Brasil, após admitir que deixa celular lento de propósito

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

apple

A Apple anunciou uma redução de R$ 300 no preço da troca de baterias dos iPhones no Brasil. A medida é uma tentativa da empresa melhorar sua imagem após assumir publicamente que deixa seus smartphones lentos de propósito e sem avisar os usuários.

A substituição de baterias dos iPhones que estejam fora da garantia custava R$ 450. Após a redução, sairá por R$ 150. O corte no preço valerá até dezembro de 2018 para todos os aparelhos a partir do iPhone 6.

Na última quinta-feira (28), a Apple divulgou uma carta em que pedia desculpas pelo "jeito que lidou com a performance dos iPhones com baterias antigas".

No mesmo documento, anunciava algumas medidas para contornar a situação. Uma delas era a redução dos preços para trocar a bateria dos smartphones. Só que os valores estavam em dólar. No dia seguinte, a empresa liberou preços em real.

Outra medida prometida é uma atualização do iOS, a ser liberada no começo de 2018, que vai mostrar o estado da bateria do celular.

Entenda o caso
A polêmica começou quando a Apple admitiu ter liberado um recurso, embutido em uma atualização de seu sistema operacional, para reduzir a performance de iPhones que tivessem baterias antigas.

A empresa diz que o intuito era "oferecer a melhor experiência de performance para os consumidores". Só que, na prática, o recurso limita a agilidade do smartphone e o deixa mais lento, já que reduz a demanda do celular por energia nos picos de uso e impede que o telefone apague de repente.

Logo depois de a empresa admitir a conduta, consumidores entraram na Justiça em busca de reparação. Até o momento, são oito ações diferentes nos Estados Unidos relacionadas ao caso, mas também há processos em Israel e na França.

Baterias
As baterias de íon-lítio passam por um processo natural de deterioração devido aos vários ciclos de carga e descarga. Nos dois casos, os íons migram entre os eletrodos positivos e negativos da bateria. Para fazer isso, atravessam o eletrólito, o material que forma a bateria.

Cada vez que os íons percorrem esse caminho, promovem mudanças na estrutura do eletrólito. Essas alterações provocam uma erosão do material, o que prejudica a capacidade de reter uma carga e de ser uma fonte de energia constante.

Para contornar esse processo natural, a Apple criou uma forma de o sistema operacional exigir menos capacidade de processamento. (G1)

Comente:

Compartilhe:

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias

Novos Vídeos