BLUE GREY RED
YOU ARE HERE Home Notícias Policial Operação Cinderela: 6 são presos por suspeita de exploração de transexuais em Ribeirão Preto

Operação Cinderela: 6 são presos por suspeita de exploração de transexuais em Ribeirão Preto

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

trans

Seis pessoas foram presas e quatro são procuradas na manhã desta quarta-feira (13) em Ribeirão Preto no âmbito da Operação Cinderela, que investiga um esquema de exploração de jovens transexuais. Os agentes também cumprem 18 mandados de busca e apreensão.

Participam da força-tarefa equipes do Ministério Público do Trabalho (MPT), Polícia Federal (PF), Ministério Público Federal (MPF) e Divisão de Erradicação ao Trabalho Análogo ao Escravo.

Segundo o MPT, um dos alvos da operação já estava preso em razão de outro processo criminal, em que é investigado por dois homicídios e pelo desaparecimento de três transexuais, sendo uma delas adolescente.

Os agentes cumprem mandados em endereços nos bairros Jardim Salgado Filho, Quintino Facci I, Centro, Vila Tibério, Vila Tamandaré e Avelino Alves Palma. Um micro-ônibus já está em frente à sede da PF e deve ser usado para buscar as vítimas para prestarem depoimento.

Investigação
Em nota, a PF informou que a investigação teve início a partir das denúncias de duas vítimas, que conseguiram fugir do local onde eram obrigadas a se prostituírem. A maioria delas é natural de estados do Norte e Nordeste brasileiros.

A quadrilha prometia às transexuais procedimentos de transformação do corpo, além de hospedagem e alimentação. Por isso, as vítimas já chegavam a Ribeirão Preto com dívidas referentes aos valores das passagens e despesas de viagem.

“Criada a condição de dependência econômica e ascendência sobre as vítimas, os aliciadores davam início à transformação corporal daquelas, com a aplicação de silicone industrial e realização de procedimentos cirúrgicos ilegais, de modo a aumentar ainda mais a dívida das vítimas.”

A PF informou também que as transexuais eram obrigadas a consumir drogas e a se prostituírem para pagar as dívidas, e havia uma “divisão territorial” para atuação de cada aliciador. Os nomes dos investigados ainda não foram divulgados.

Castigos Físicos
Ainda segundo a PF, as transexuais que não conseguiam pagar as dívidas ou desrespeitavam as regras eram julgadas em um “tribunal do crime” e punidas com castigos físicos, morais e até multas, além de terem seus pertences subtraídos.

“Há registros de suicídios em virtude das pressões sofridas pelas vítimas, desaparecimentos, aplicações de castigos físicos com pedaços de madeira com pregos e homicídios, tudo decorrente da cobrança de dívidas”, informou a PF.

Os suspeitos responderão pelos crimes de tráfico de pessoas, redução à condição análoga à de escravo, exercício ilegal da medicina, organização criminosa e rufianismo - que consiste em obter lucro com a prostituição alheia. As penas desses crimes podem somar mais de 34 anos de prisão. (G1)

Comente:

Compartilhe:

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias

Novos Vídeos