BLUE GREY RED
YOU ARE HERE Home Notícias Policial Mulheres são presas por suspeita de agir em sequestro de agrônomo em Ribeirão Preto

Mulheres são presas por suspeita de agir em sequestro de agrônomo em Ribeirão Preto

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

sequestr

Duas mulheres foram presas sábado (22) em Ribeirão Preto por suspeita de participarem do sequestro de um engenheiro agrônomo, em maio deste ano. Segundo a Polícia Civil, a vítima ficou 12 horas em poder da quadrilha e teve cerca de R$ 7 mil roubados.

Levadas à Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Maria de Lourdes de Souza e Flávia Fiori Hernandes negaram as acusações. “Não, não tenho nada para falar”, disse uma delas. “Eu não tenho envolvimento com nada”, completou a outra.

A Polícia Civil informou que o caso não tem relação com o sequestro do empresário que foi libertado do cativeiro na última quarta-feira (19), em Jardinópolis (SP). Nessa ação, quatro homens foram presos em flagrante e um deles confessou ser o líder da quadrilha.

O delegado César Augusto de França contou que o agrônomo, cuja identidade não foi revelada, caiu em uma emboscada e foi rendido pelos sequestradores na tarde de 5 de maio, em um sítio próximo à Rodovia Prefeito Antônio Duarte Nogueira (Anel Viário Sul).

“Esse agrônomo foi atraído por um anúncio de venda de um trator. Ele foi ver esse trator para comprá-lo e acabou sendo capturado e levado para um cativeiro. Quem sequestrou essa vítima foram homens, depois essas mulheres ficaram com a vítima no cativeiro”, detalhou.

A quadrilha exigiu R$ 100 mil pelo resgate, mas, como a família da vítima não tinha esse valor, os sequestradores levaram o agrônomo até agências bancárias nas avenidas Mogiana e Saudade, e sacaram tudo o que havia nas contas bancárias dele.

França explicou que os criminosos também realizaram compras com cartões de crédito do refém. Imagens de câmeras de segurança de supermercados e lojas onde a quadrilha esteve foram entregues à Polícia Civil, e ajudaram a identificar as suspeitas.

“Temos filmagens dessas compras. As duas presas participam e temos imagens dos homens que fizeram o sequestro. Elas são conhecidas pela DIG, tem várias passagens, inclusive por roubo. As informações são de que participam de tribunal do crime”, disse.

A Justiça decretou as prisões temporárias de Maria de Lourdes e Flávia por 30 dias. O delegado afirmou que as duas estavam sendo monitoradas há 40 dias. Agora, segundo França, a polícia está a um passo dos demais integrantes da quadrilha.

“As investigações continuarão. Já temos várias informações, inclusive sobre a localização do cativeiro, e mais para frente teremos mais informações”, concluiu. (G1)

Comente:

Compartilhe:

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias

Novos Vídeos