Prefeito tinha sido afastado por causa de uma CPI também aberta pelos vereadores, mas voltou ao cargo após liminar da Justiça. Edmir Gonçalves (MDB) alega perseguição política.

A Câmara Municipal de Itápolis (SP) abriu uma comissão processante na sessão de segunda-feira (11) à noite para investigar o prefeito, Edmir Gonçalves (MDB), e o vice-prefeito, Mário de Almeida Filho.

A representação foi apresentada por dois moradores da cidade que enumeraram sete fatos para embasar a investigação, entre eles a epidemia de dengue, os buracos nas ruas e a falta de medicamentos nas unidades de saúde, entre outros.


Prefeito Edmir Gonçalves (MDB) usou as redes sociais para informar decisão da Justiça — Foto: Divulgação


Oito dos nove vereadores votaram a favor da abertura da CP, que tem até 90 dias para concluir o processo de apuração que pode cassar o mandando do prefeito e do vice.

A Câmara de Itápolis já havia aberto uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra o prefeito na semana passada, para apurar supostas fraudes em licitações e superfaturamento na contratação de serviços de segurança para o bloqueio feito na entrada da cidade por conta do coronavírus. Essa contratação também é alvo de investigação da Polícia Civil.

O prefeito chegou a ser afastado do cargo pela Câmara, mas voltou por decisão da Justiça. Essa CPI também segue em andamento, paralelamente à CP aberta nesta segunda-feira.

Sobre a abertura da CP, o prefeito afirmou à TV TEM que “os vereadores estariam inconformados com a derrota na Justiça, que o reintegrou ao cargo, e por isso teriam inventado mais uma história para tentar afastá-lo junto com o vice”.

Do G1

Mais Lidas