doencassol

O verão é a época do ano mais esperada, mas os dias bonitos podem trazer incômodos para a saúde da pele. As temperaturas elevadas propiciam o surgimento de micoses e outros problemas de pele. A dermatologista Carolina Marçon, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), explica, por exemplo, que diferentemente do que as pessoas pensam, a "micose de praia" não é adquirida na praia ou piscina.

"Vulgarmente conhecida como 'micose de praia' ou 'pano branco', a Pitiríase versicolor é uma micose mas, ao contrário do que se pensa, não é adquirida na praia ou piscina. O fungo causador da doença habita a pele de todas as pessoas e, em algumas delas, é capaz de se desenvolver provocando as manchas", explica Carolina.

Muitas vezes, continua a dermatologista, a doença só é percebida poucos dias após a exposição da pele ao sol porque, nas áreas da pele afetadas pela micose, a pele não se bronzeia. "Com o bronzeamento da pele ao redor, ficam perceptíveis as áreas mais claras onde está a doença e a pessoa acha que pegou a micose na praia ou piscina. Entretanto, o sol apenas mostrou onde estava a micose. Vem daí a crença de ser uma micose de praia", desmistifica a dermatologista.

Outra doença comum no verão é a "larva migrans", conhecida vulgarmente como bicho geográfico. A especialista explica que a doença é causada por parasitas intestinais do cão e do gato. Os ovos eliminados nas fezes por esses animais transformam-se em larvas. Estas, penetram na pele do homem causando a doença. A dica para prevenir o bicho geográfico é não levar animais para a praia.

"Para prevenir a infecção pela 'larva migrans', evite andar descalço em locais frequentados por cães e gatos e cubra as caixas de areia durante a noite para evitar sua utilização por gatos para defecar. Recolha as fezes de seu cachorro e estimule os outros donos de animais a fazerem o mesmo. E, claro, não leve animais para a praia", recomenda Carolina.

A também dermatologista Andreia Ramos explica que o primeiro passo para não comprometer a saúde da pele nessa estação é usar nunca esquecer de usar protetor solar com FPS maior ou igual à 30. "A exposição ao sol prolongada e sem proteção deve ser evitada ao máximo. O uso do protetor solar é imprescindível não apenas no verão, mas no ano inteiro, incluindo nos dias nublados", aconselha a dermatologista.

Andreia recomenda ainda evitar o uso de roupas de tecido sintético e cores escuras porque elas dificultam a transpiração. Recomenda-se também priorizar alimentos de fácil digestão e beber, ao menos, dois litros de água por dia para não desidratar o organismo. "Alimentos ricos em caroteno, como cenoura, laranja e mamão, ajudam a prevenir queimaduras e contribuem para a pigmentação natural da pele", aconselha a especialista.

Micose de praia

O que é: Mais conhecida como 'micose de praia' ou 'pano branco', a Pitiríase versicolor é uma alteração causada por um fungo e caracterizada por manchas brancas no corpo. Não causa coceira ou outros sintomas e, ainda que o sol não seja o causador da doença, pode evidenciá-la porque não há bronzeamento na área atingida. 'O tratamento deve ser recomendado por um especialista e geralmente conta com uso tópico de loções, xampus e sabonetes especiais que agem contra o fungo', explica a dermatologista Andreia Ramos.

Bicho geográfico

O que é: Também chamada de 'bicho geográfico', a doença é causada por parasitas e apresenta sintomas como lesões avermelhadas nas plantas dos pés. 'As larvas do parasita que causam a doença vivem nos intestinos de cães e gatos que passeiam pela areia da praia e que podem transmitir a doença aos humanos', alerta Andreia.

Dicas para prevenir: 'Para prevenir a infecção pela 'larva migrans', evite andar descalço em locais frequentados por cães e gatos e cubra as caixas de areia durante a noite para evitar sua utilização por gatos para defecar.

Herpes labial

O que é: É causada pelo vírus herpes simples, e mais comum do que muita gente imagina. Estima-se que 90% população mundial tenha o vírus da herpes. O incômodo gerado pela herpes labial acontece com maior incidência no verão, uma vez que a exposição solar favorece o surgimento da lesão.

Dicas para prevenir: 'Para evitar o agravamento, é aconselhável não cutucar as bolhas que o vírus causa para não espalhar a secreção ou retardar o processo de cicatrização. Para prevenção, use protetores labiais e higienizar as mãos sempre que houver contato com a região afetada', recomenda a dermatologista Andreia Ramos.

Melanose solar

O que é: São manchas provocadas pelo dano causado pelo sol na pele ao longo dos anos. Como o resultado da ação do sol só vai aparecer com o passar do tempo, as melanoses solares são mais comuns em pessoas de idade. Daí o nome 'mancha senil'. O dano solar acumulado ao longo dos anos induz ao aumento do número de melanócitos (célula que produz o pigmento que dá cor à pele) e da sua atividade, produzindo mais melanina e escurecendo a pele.

Dicas para prevenir: Para prevenir, é recomendado o uso diário de protetor solar. O tratamento pode contar com peelings ou outros recomendados pelo dermatologista. 'Use a proteção solar nas áreas continuamente expostas ao sol, local onde as manchas se manifestam. Não é apenas o sol da praia ou piscina, mas também o sol do dia a dia que, paulatinamente, vai danificando as células que, no futuro, vão sofrer alterações e dar origem às manchas', explica Carolina Marçon, integrante da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Fitofotodermatose (mancha do limão)

O que é: A 'fitofotomelanose' é uma manifestação alérgica causada pela exposição ao sol da pele que teve contato com plantas ou suco de algumas frutas, principalmente os de limão, laranja e tangerina. Mas outros produtos, como perfumes e refrigerantes, também podem causar a reação, sendo neste caso uma fotomelanose.

Dicas para prevenir: 'Para evitar a 'fitofotomelanose', evite fazer ou beber limonadas, sucos de frutas, caipirinhas e se expor ao sol. Mesmo lavando as áreas atingidas pelo suco das frutas, a pele pode manchar. Também evite colocar perfumes antes de ir à praia', aconselha Carolina.

Queimaduras solares

O que é: 'Ficar longos períodos exposto ao sol sem proteção adequada pode causar queimaduras na pele e, em casos mais graves, o surgimento de bolhas. As queimaduras solares podem, ao longo prazo, contribuir para o desenvolvimento de câncer de pele', explica Carolina.

Dicas para prevenir: Use o filtro solar, roupas (ou chapéus) e limite sua exposição solar especialmente durante o período de 10h às 16h do dia. Boas formas de proteção incluem usar camisas de manga longa, chapéus com abas, bonés e sombrinhas quando ao sol. O filtro solar deve ser reaplicado a cada 2 a 3 horas e deve-se aplicar de 15 a 30 minutos antes da exposição solar.

Miliária ou 'brotoejas'

O que é: Popularmente chamada de 'brotoejas', a miliária é mais comum em crianças, embora também apareça em adultos. 'A doença caracteriza-se pelo surgimento de pequenas bolhinhas de água na pele, em especial nas áreas de dobras que se formam devido à inflamação causada pelo entupimento das glândulas responsável pelo suor', esclarece a dermatologista Andreia Ramos.

Dicas para prevenir: Para evitar a miliária, use roupas frescas, tome banhos frios e se proteja do calor evitando o excesso de suor. 'O ar condicionado é um grande aliado no combate à doença. Deve-se evitar o excesso de roupas nas crianças pequenas, principalmente nos recém-nascidos, um hábito comum entre mães com preocupação excessiva em agasalhar seus filhos', indica a também dermatologista Carolina Marçon.

Tinea cruris

O que é: A 'tinea inguinal' ou 'tinea crural' é uma micose que atinge a região da virilha, e é causada pelo crescimento, nesta região, de fungos do gênero 'dermatófitos' ou pela levedura chamada 'Candida albicans'. A anatomia da virilha favorece o crescimento destes micro-organismos devido à escuridão, calor e umidade características desta área do corpo.

'Mas, durante o verão, com o aumento do suor ou o uso de roupas de banho molhadas durante muito tempo, a umidade local aumenta ainda mais, o que torna este tipo de micose mais frequente nesta época do ano. O uso de tecidos sintéticos favorece o crescimento da micose por dificultar a evaporação do suor', explica Carolina.

Dicas para prevenir: Dê preferência ao uso de roupas frescas principalmente nos meses mais quentes do ano. Use roupas de baixo de algodão, evitando as de tecido sintético, e evite ficar com roupas de banho molhadas por muito tempo. (MSN)

Mais Lidas